Pecado Original e a Imaculada Conceição de Maria

Os textos abaixo apresentarão a correta concepção da ideia de Pecado Original, extraída do livro “Filha de Sião: A devoção mariana na Igreja”, como também a correta identificação da Imaculada Conceição de Maria explanada nas Escrituras:

“(…)Sobre isso deveríamos, primeiramente, afirmar que o conceito de fato não pode, contudo, ser usado em rigor positivista, com relação ao pecado original. Pois o pecado original, em si, não é um fato no sentido positivista, constatável como o fato de Goethe ter nascido em 28 de agosto de 1749. O pecado original é um “fato”, uma realidade, de outra espécie, de modo que sobre ele só pode se conhecer e só se conhece a partir da tipologia: o texto basilar de Rm 5 é uma interpretação tipológica do Antigo Testamento. O pecado original se torna conhecido no tipo de Adão e sua recorrência nos pontos críticos da história; sua afirmação se apoia na identificação tipológica daquele homem com o homem em geral, com o homem genérico, o homem desde o seu início. O pecado original não é transmitido, enquanto fato, desde o início (e de antemão comunicado), mas é reconhecido através de uma interpretação tipológica da Escritura, e, portanto, por um caminho teológico (conceitual). Desconhecer isso pode ter sido, talvez, o principal erro da doutrina neoescolástica do pecado original; no momento em que esse erro foi cometido, em uma intensidade maior ou menor, acabou conduzindo, em conexão com a total ausência de uma compreensão da identificação tipológica, a uma contestação do pecado original, ou seja, à impossibilidade de pensar e falar sobre ele. Se é assim, fica claro que a isenção do pecado original não pode ser comunicada como um fato, mas somente pode ser reconhecida tipologicamente, e não de outro modo.(…)”

(Bento XVI, Papa, 1927-. A filha de Sião: a devoção mariana na Igreja / Joseph Ratzinger; [tradução Ney Vasconcelos]. – São Paulo: Paulus, 2013. p. 52-53)

Visto que a herança do Pecado Original deve ser concebida de maneira tipológica, e a Imaculada Conceição igualmente deve ser também entendida e vista tipologicamente, ou seja, através da exegese tipológica das Escrituras (a única capaz de ler em conjunto Antigo e Novo Testamentos, portanto, indubitavelmente válida) veremos a seguir a base teológica para a doutrina:

“(…) A saudação a Maria (Lc 1,28-32) é formulada em uma estreita ligação com Sf 3,14-17: Maria é a filha de Sião, a quem são dirigidas as palavras daquele texto, a quem é proclamado o “Alegra-te”, a quem é dito que o Senhor virá até ela; dela é retirado o temor, pois o Senhor está com ela, para salvá-la [1]. A esse propósito, Laurentin faz uma bela observação: ‘Frequentemente a Palavra de Deus se mostra como um grão de trigo (…) Compreende-se também por que Maria ficou perturbada com esse anúncio (Lc 1,29). Seu temor não vem da falta de compreensão ou daquela angústia mesquinha à qual podemos nos deixar levar. Ele vem da comoção de um daqueles encontros com Deus, daquelas alegrias incomensuráveis que conseguem abalar as naturezas mais duras’. Na saudação do anjo revela-se como um todo o motivo basilar da apresentação que faz Lucas da figura de Maria: ela é a verdadeira Sião, a quem se dirigem as esperanças em todas as desolações da história. Ela é o verdadeiro Israel, em quem a Antiga e a Nova Aliança, Israel e a Igreja, são uma coisa só, inseparável. Ela é o ‘Povo de Deus’, que dá fruto a partir do poder da graça de Deus. (…)”

(Bento XVI, Papa, 1927-. A filha de Sião: a devoção mariana na Igreja / Joseph Ratzinger; [tradução Ney Vasconcelos]. – São Paulo: Paulus, 2013. pp. 32-33)

Como fora provado acima, Maria é figura da Sião escatológica realizada em pessoa, ou seja, da Igreja, que é a Jerusalém Celeste. Oras, no Novo Testamento a Igreja é identificada como Sião:

“(…) Mas chegastes ao monte Sião, e à cidade do Deus vivo, à Jerusalém celestial, e aos muitos milhares de anjos (…)” (Hebreus 12,22 – Tradução “Almeida Corrigida e Revisada Fiel”)

E a Igreja é claramente aclamada como imaculada, sem mancha nem ruga:

“(…) Para a apresentar a si mesmo Igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, mas santa e irrepreensível.(…)” (Efésios 5,27 – Tradução “Almeida Corrigida e Revisada Fiel”)

Santo Agostinho, um dos grandes doutores da Igreja, também equiparava Maria à Igreja:

“(…) Somente Maria, portanto, é mãe e virgem, no espírito e no corpo. É Mãe de Cristo e também Virgem de Cristo. Mas a Igreja, nos santos que hão de possuir o reino de Deus, é, segundo o espírito, toda ela mãe e toda ela virgem de Cristo. (…)” (Santo Agostinho – De Virginitate 6,6)

E proclamou a maternidade espiritual de Maria assim como a da Igreja, conforme Hebreus 12,22:

“(…) espiritual e evidentemente é também a mãe dos membros de Cristo, visto que, pelo seu dom de amor, contribuiu para que nasçam na Igreja os crentes (…)” (Santo Agostinho – De Virginitate 6,6)

Como vimos, antes de mais nada aquilo que fora pensado como eclesiologia, fora comunicado como Mariologia nos Padres e na Igreja, tornando-se claro e seguro o dogma da Imaculada Conceição de Maria.

Referência:

[1]:
Sf 3,14-18
“Alegra-te,
Filha de Sião
O Senhor está no meio de ti
Não temas, Sião
O Senhor teu Deus está em teu seio
Como Salvador,
O Senhor Deus de Israel”
Lc 1,28-33
“Alegra-te,
Cheia de graça
O Senhor está contigo..
Não temas, Maria
Conceberás em teu seio
E o chamarás Jesus (Salvador),
E reinará”

PARA CITAR:

OLIVEIRA, Lucas H. Firmat Fides: Pecado Original e a Imaculada Conceição de Maria. Disponível em: < https://firmatfides.wordpress.com/2014/08/19/pecado-original-e-a-imaculada-conceicao-de-maria/  > Desde 19/08/2014.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s