Cinco razões que fundamentam Pedro como a Rocha

01- Aramaico o idioma falado naquele tempo

Vamos esquematizá-lo assim:

1) Jesus chamou a este apóstolo em aramaico “Kephas” (João 1,42)

2) Em aramaico existe somente duas palavras para Rocha ou pedra, Kephas = Rocha e Evna=Pedra

3) Sabemos que Jesus falava aramaico e o próprio evangelista Marcos se encarregou de escrever com exatidão as palavras que sairam de sua boca (Marcos 5,41; 7,34; 14,36; 15,34).

Ele necessariamente teve que usar a palavra Kephas duas vezes já que era a única palavra para Rocha em aramaico, na primeira parte para nomear o apóstolo “Tu és Kephas” (como seu nome) e na segunda para se referir ao objeto Rocha (Sobre esta Kephas). A palavra Kephas repetida duas vezes pode ser observado na tradução dos evangelhos na língua aramaica chamada Diatessarón do ano de 170 dC que foi utilizada por muitas comunidades cristãs deste tempo e posteriormente na Bíblia Peshitta (uma tradução mais nova em aramaico dos evangelhos datada no ano de 435 dC, veja abaixo)

4) A passagem do aramaico com os dois Kephas poderia ter sido traduzido assim “Tu és Petra e sobre esta Petra edificarei minha Igreja”, assim se usaria então uma só palavra igual que sucede do aramaico com Kephas e deixaria mais claro o jogo de palavras que nosso Senhor quis dizer, mas existe um problema.

5) Em aramaico não existe gênero mas em grego sim, por ser um idioma um pouco mais evoluido.

O tradutor do grego decide mudar o gênero da primeira parte da frase para que não haja uma contradição de gênero. “Tu és Petra” seria uma forma estranha de se aplicar no grego, sendo o Sujeito, o Apóstolo, um homem. O substantivo Petra é então convertido em um nome próprio masculino, Petros.

Jesus fora deste versículo de Mateus chamava este apóstolo de Kephas, usando-o como nome próprio (João 1,42) e também o faz Paulo (1Corintios 1,12; 3,22; 9,5; 15,5; Gálatas 2,9).

“Petros” e “Petra” no grego antigo (chamado Grego Koiné) eram sinônimos, posteriormente começaram a ter diferença como afirma os estudiosos bíblicos protestantes (Oscar Cullman, Herman Ridderbos, Craig, etc.).

6) O tradutor manteve o substantivo em sua forma original “Petra” na segunda parte da frase “Sobre esta Petra edificarei minha Igreja” não tem o problema de gênero da primeira parte, sendo que colocar na segunda parte “Sobre este Petros” não era necessário, além disso neste tempo a palavra Petros era um nome e não uma coisa, não se usava para objeto. (Como demonstraremos no ponto 3).

(A biblia aramaica Peshitta, Ano 435)

02- “E sobre esta mesma pedra edificarei…”

A frase em grego diz “epi tautee tee petra”. “Tautee” é um adjetivo demonstrativo feminino, sem o outro “tee” posterior, seria assim “sobre esta pedra edificarei”.

“Tautee” + “Tee” significa então “esta mesma”. Com isso resultando no que diz Jesus tu és pedra e sobre ESTA MESMA pedra edificarei. A mensagem que deixa Tautee Tee é que Petros e Petra se refere a mesma Pedra e não a pedras distintas, ou uma pedra e a outra uma rocha ou algo parecido. Se Jesus tivesse feito uma distinção entra as “duas pedras”, haveria esclarecido e não teria dito “Tee”.

3- O que é Lithon ou Lithos? O que é Petros?

Fazendo uma busca em várias versões da Bíblia, encontrei só uma passagem onde faz referência a uma rocha e a uma pedra real e não no sentido figurado. Esta passagem está em Marcos 15,46 e o transcrevo nas diferentes versões:

Rainha – Valera Antiga (ano 1602):

“… um sepulcro que estava escavado em uma rocha e moveu uma pedra para porta do sepulcro”.

Rainha – Valera Revisada (ano 1995):

“… em um sepulcro que estava escavado em uma rocha e fez rolar uma pedra para entrada do sepulcro.”

De Jerusalém:

“…em um sepulcro cavado na rocha. Depois, fez rolar uma pedra na entrada do sepulcro.”

E o texto grego (ano 1550) diz:

“…εν μνημειω ο ην λελατομημενον εκ πετρα και προσεκυλισεν λιθον επι την θυραν του μνημειου.”

Este é o mesmo texto grego com caracteres latinos:

“…en mnēmeiō o ēn lelatomēmenon ek petra kai prosekylisen lithon epi tēn thyran tou mnēmeiou.”

Aqui podemos observar que na bíblia ao se referir a uma rocha é utilizado a palavra grega petra enquanto que ao se referir a uma pedra menor ou pequena se usa lithon ou lithos.

Em outras passagens podemos ver a mesma situação, por exemplo, em 1 Pedro 2,8 e em Romano 9,33 onde diz “pedra de tropeço” (a versão grega diz “lithos proskommatos” e “lithon proskommatos” respectivamente) e “pedra de escândalo” (versão grega: “petra skandalou” e “petran skandalou” respectivamente). (Lithos)

Além disso, em 1 Pedro 2,6, “pedra angular” na versão grega aparece como “lithon akrogōniaion”.

Cristo mesmo é chamado Pedra-Lithos em 1Pedro 2,4.

Petros

Por outro lado a palavra “Petros” só é utilizado na bíblia para se referir a Simão Pedro – Cefas. Não é possível encontrar em todo o novo testamento a palavra Petros designando outra coisa que não seja a ele mesmo, o apóstolo Pedro, jamais encontraremos por exemplo ” e caminhando chutou uma “petros” ou algo similar, existem somente duas palavras Petra=Rocha e Lithos=Pedra.

“Petros” é somente um nome, uma transformação, masculinização de Petra dado pelo evangelista para o apóstolo, naquele tempo não existia um significado em si para a palavra “Petros”, mas como uma “masculinização” de Petra.

O grego usado nesse tempo é o antigo koiné, na qual a palavra Petros significava o mesmo que Petra ou seja Petros era a masculinização de Petra.

Em 1Pedro 2,5 diz assim  “Também vós como pedras vivas edifiquem-se….”

Em grego, este versículo se refere aos apóstolos ou discípulos como pedras da construção,  LITHOS (palavra usada para pedra muito pequena). Pedro usou a palavra LITHOS para falar dos apóstolos como pedras pequenas da grande construção.

Portanto em Mateus 16,18 se Cristo desejasse se referir a Pedro como uma simples pedra da grande construção ou sem vínculo com Petra, a frase deveria ser “Tú és Lithos e sobre esta Petra edificarei minha Igreja”.

Muitos afirmam que Petros é “uma pedra para arremessar”, isso não existe no grego do tempo de Jesus (antigo koiné). No antigo grego usava-se a palavra lithos para significar “uma pedrinha ou uma pedra para arremessar” como podemos constatar no caso da mulher adúltera (João 8,6-7) ou de Jesus (João 8, 59).

Em grego “lapidação ou lapidar” se dizia “lithoboleo”

Não é possível encontrar a palavra Petros no antigo grego dentro da biblia referindo-se a uma pedrinha ou a algúm objeto, mas sim como um nome, uma masculinização de Petra. Então nos baseando na biblia e no grego antigo (koiné), não existem sustentações para afirmar que “Petros” significa “pedra pequena”  porque para isto a Biblia utiliza outra palavra (lithos ou lithon).

4- Ordem semântico

“Eu tenho um carro e um caminhão e este é azul”

Qual é azul?

O caminhão, porque é o substantivo mais próximo do pronome “este”.

E “sobre esta pedra”, como substantivo seu pronome mais próximo é Pedro não a declaração feita versículos atrás”

5- O que crê a Igreja Católica.

A base de nossa fé se funda “sobre a rocha desta fé, confessada por Pedro”. (CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA, 424)

Por isso devemos diferenciar aquela metáfora que se entende em um contexto como a “Rocha” da fé, quer dizer, a crença mais importante e que é o coração do Cristianismo (“TU ÉS O MESSIAS,  O FILHO DE DEUS VIVO”) onde se apóiam as demais verdades ou doutrinas.  “Quanto ao fundamento, ninguém pode pôr outro diverso daquele que já foi posto: Jesus Cristo.” (1Corintios 3,11)

Este é o fundamento do cristão (1Corintios 3,10), é o fundamento do templo que é cada um e o único fundamento da pregação (1Corintios 3,12-17).

Daquela metáfora da “Rocha”, que no contexto de Mateus se refere a entrega de um ministério sobre o qual Cristo fundou sua Igreja para que “Confirme seus irmãos” e a “Proteja dos ataques de satanás” (Lucas 22,31-32), Disponha as doutrinas que se devem seguir e as que não (Mateus 16,17).

Para que “os homens de Deus falem (e ensinem) inspirados pelo Espírito Santo” (2Pedro 1,20-21) e não se ensine qualquer doutrina errônea.

E que assim “não haja divisões” e possam ”ter um mesmo modo de pensar e um mesmo parecer.”(1Corintios 1,10).

Mantendo  “Um só corpo e um mesmo espírito…. Um só Senhor, uma só fé, um só batismo” (Efésios 4,3-5)  e uma cabeça que é “Cristo” (Efésios 5,23), (Colossenses 1,18)

Pedro é aquele servo na qual Cristo confia “a Casa de Davi” a semelhança de Yahvé e Eliacim (Isaías 22,20-22) e lhe dá as “chaves” para “abrir” e “fechar”, “ligar” e “desligar” (Isaías 22,22) e (Mateus 16,19)

Pedro é aquele pastor, na qual responde ao “Supremo Pastor” (1Pedro 5,2-4)

É o porteiro deixado pelo dono da casa pede-lhe que esteja vigilante (Marcos 13,34-37), pede a ele e aos demais que não durmam. Comparar com Marcos 14,37.

Só repreende “ao porteiro” por ter dormido (Marcos 14,37) (Esta repreensão nos mostra o papel que deve cumprir como porteiro, deve estar vigilante aos demais irmãos).

O Senhor reafirma a fé de Pedro, reafirmando seu amor por Ele, perguntando-lhe: “Amas-me mais do que estes?” Para apagar com as negações (Marcos 14,66-72), e incessantemente pede-lhe: “Apascenta as minhas ovelhas” (João 21,15-17)

A Biblia usa distintas metáforas, mas o que significa distinto segundo o contexto. Vejamos:

Num momento afirma que somos “sepultados para morte no batismo” (Romanos 6,4) Este contexto, está se referindo ao batismo que conhecemos e por outro lado Jesus diz: “sereis batizados no batismo em que eu devo ser batizado.” (Marcos 10,39) Aqui está se referindo, neste contexto, a sua Paixão e morte.

Não se deve aplicar o mesmo sentido a todas as metáforas:

Por exemplo, se vou a um campo onde existem rebanhos e digo ao que está cuidando das ovelhas “Que bom pastor que és”, ele vai entender inevitavelmente que se refere a seu ofício de cuidar das ovelhas, se vou a uma igreja e digo a pessoa que preside “Que bom pastor que és” o mesmo vai entender que se refere ao pastoreio de conduzir e levar adiante a comunidade. É uma mesma palavra que em circunstâncias e contextos diferentes possuem significados totalmente distintas.

Metáforas bíblicas similares, mesmas palavras com sentido totalmente distinto.

Algumas vezes Cristo é visto como o pastor (João 10,11) e outras como a porta do curral (João 10,7).

Algumas vezes é visto como edificador (Mateus 16,18) e outras vezes como fundamento (1Corintios 3,10-11).

Algumas vezes é visto como rocha base (1Corintios 3,11) e outras vezes como a pedra angular (1Pedro 2,6) – (Efésios 2,20-21)

Os cristãos também:

Jesus Cristo é o único juiz supremo (Mateus 25,31-46), mas os cristãos também serão juizes (Mateus 19,28; 1Corintios 6,2-3).

Jesus Cristo é o único Pastor (João 10,16; Hebreus 13,20), mas também estabelece pastores (João 21,15-17).

Jesus é o único Rei (Apocalipse 19,16), mas reinaremos com Ele (Apocalipse 2,26-29; 4,10)

Jesus é o Santo de Deus (Lucas 4,34), mas também somos santos (Apocalipse 18,20)

Cristo diz “eu sou a luz do mundo” (João 8, 12) e outra vez afirma “vós sois a luz do mundo” (Mateus 5, 14).

Cristo é visto como pedra (1Pedro 2,4) e às vezes como rocha (1Corintios 10,4)

Em (1Pedro 2,4-5) faz referência a Cristo como pedra e diz que também os apóstolos podem ser pedras e não há contradição nisso.

Não há nada de mal em entender que Cristo é “a Rocha de nossa fé” (Catecismo 424) e por sua vez a “Pedra Angular” como Paulo dá a entender em muitas passagens (1 Corintios 3,11; 1Corintios 10,4) e que Pedro seja a rocha em que Cristo mesmo edificou a Igreja, no sentido, Não que Pedro seja nossa fé mas que é o Porteiro, um pastor. Por acaso nos batizamos em nome de Pedro? (1Corintios 10,11-13)

Comparação entre o Antigo e o Novo Testamento

-Deus abençoa Abraão com incríveis bênçãos, Comparar (Gênesis 17,5-8) e (Mateus 16,18-19), e muda o nome de Abrão por Abraão (Gênesis 17,5)

Jesus muda o nome de Simão por Pedro (Mateus 16,18)

-Yahvé disse “Eu mesmo apascentarei minhas ovelhas” (Ezequiel 34,15), mas depois diz que suscitarei um pastor para elas, que as apascentara, Davi (Ezequiel 34,23).

Jesus disse “Eu sou o bom Pastor” (João 10,11) mas depois de ressucitar designa como pastor a Pedro perante aos demais apóstolos (João 21,15-17)

– Yahvé entrega as chaves para abrir e fechar a Eliacim (Isaías 22,20-22)

Jesús designa Pedro como seu “Eliacim”, seu “Porteiro” (Marcos 13.34-37), entregando-lhe as chaves para ligar e desligar ou abrir e fechar (Mateus 16,19).

– Jacó chamou seus 12 filhos (As doze tribos de Israel que vão ser Tipo dos 12 Apóstolos) e a todos disse-lhes coisas mas somente a um (Judá) disse-lhe:

“Judá, teus irmãos te louvarão. Pegarás pela nuca os inimigos; os filhos de teu pai se prostrarão em tua presença. Filhote de leão, Judá: voltas trazendo a caça, meu filho. Dobra-se, deita-se como um leão; como uma leoa: quem o despertará? Não se apartará o cetro de Judá, nem o bastão de comando dentre seus pés, até que venha aquele a quem pertence por direito, e a quem devem obediência os povos”. (Gênesis 49,8-10).

E sobre ele seguiu a linha do povo de Deus, o remanescente “o Senhor ficou profundamente indignado contra os israelitas e lançou-os para longe de sua face. Só a tribo de Judá subsistiu” (2Reis 17,18; Oseas 1; Juizes 1,1-2). (Juda=Judaísmo: daí provém o nome)

Então quando chegou “Aquele” que deveria vir (Jesus Cristo), chamou aos 12 Apóstolos (Marcos 3,13-19), mas somente a um foi dito: “E eu te declaro: tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja; as portas do inferno não prevalecerão contra ela”.

“Eu te darei as chaves do Reino dos céus: tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus” (Mateus 16,18-19)

E sobre ele e sobre sua “Tribo” permanece o povo de Deus, o Remanescente.

-A relação entre Cristo e Pedro foi predita por Zacarias (6,12-13)

Declaração de Cristo ao Porteiro

Jesus ao chegar à região de Cesárea de Filipo, perguntou a seus discípulos:

“Quem dizem os homens que é o Filho do homem?” (Cristo, o Grande Mestre, o que sonda os corações e conhece aos homens apresenta o “primeiro conflito doutrinal” da Igreja para que Pedro reconheça sua função posteriormente).

Eles disseram:

Uns dizem que João Batista;  outros,  Elias; e outros,  Jeremias ou algum dos profetas.

(Cada um dos discípulos com boa vontade tenta dar uma resposta conforme o que entendem segundo o que dita suas razão, o que “crêem que seja”).

Ele lhes perguntou:

E vós, quem dizeis que sou?

Respondendo Simão Pedro, diz:

“Tu és o Cristo, o Filho de Deus vivo!” (Surgiu a inspiração por meio do Espírito, Cristo realizou em Pedro o que buscava, que caísse nesta “armadilha do amor” que iria assim acabar em um ministério)

Então respondeu Jesus:

“Feliz és, Simão, filho de Jonas, porque não foi a carne nem o sangue que te revelou isto, mas meu Pai que está nos céus.” (Isto veio do Pai, Deus mesmo antecipadamente o fez “praticar” o que posteriormente seria seu ministério como porteiro da Igreja)

“E eu te declaro: tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja”.

(Bom Pedro! Segundo a função que vai receber agora e por meio do Espírito Santo resolveu “o primeiro conflito doutrinal da Igreja” e assim como revelou minha identidade, como queria que fizesse, agora te digo quem serás, te chamo “Pedro”, “Piedro”, “Roco” ou “Rocky” porque serás a pedra ou rocha da Igreja, o porteiro, cf. Marcos 14,37).

Te darei as chaves do Reino dos céus e o que ligardes na terra será ligado nos céus e o que desligardes na terra será desligado nos céus” (Assim como agora, nesta “pratica” foi ligado a primeira verdade de fé  [Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo] por revelação divina, isto será ligado no céu, confirmado no céu. E por sua vez esta verdade de fé que acabas de confirmar não era revelação tua, nem idéia tua, mas que ja tinha sido previamente “ligada” por Deus e agora foi confirmada aos homens. Assim ocorrerá com os próximos conflitos doutrinais, o que ligardes, confirmes, será e haverá sido ligado por Cristo no céu)

O Senhor deveria ter elegido alguém com a fé mais forte, não Simão (que quer dizer, caniço quebradiço, fé frágil).

Pessoalmente havia elegido Aarão para que falasse diante Faraó “O que deu uma boca ao homem e que faz com que o homem veja…” (Êxodo 4,11-13) elegeu Moisés, assim mesmo elegeu ao João (o discípulo amado) em vez ao de “pouca fé”, mas Deus “o escolheu para confundir os sábios; e o que é fraco no mundo, Deus o escolheu para confundir os fortes” (1Corintios 1,27). Esta Rocha feita por Cristo protegerá esta fé (“TU ÉS O MESSIAS, O FILHO DE DEUS VIVO”).

Confirma seus irmãos (Lucas 22,32), diante ao perigo e a loucura do mundo, apascenta, conforta e reforça em seus irmãos a fé sobre Jesus (João 21,15-17)

Sua fé será protegida por Jesus para que não desfaleça e mantenha firme a Igreja (Lucas 22,32).

Assim como Cristo não permitirá que as portas do inferno prevaleçam sobre Ela (Mateus 16,18).

Pedro é aquela rocha colocada por Cristo, na qual sustentará a Igreja e a pedra angular de nossa fé (“Jesus é o Messias, o filho de Deus vivo”), sobre seus irmãos. (Efésios 2,20-21).

Fonte:

Exsurge Domini

http://www.exsurgedomini.xpg.com.br

Traduzido por: Rogério Hirota

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s